Três Abordagens Sobre a Tecnologia

Artigos sobre os desafios da tecnologia costumavam começar com uma longa lista de estatísticas comprovando a seriedade dos problemas morais, espirituais, relacionais e cognitivos resultantes da revolução digital. Eu dificilmente preciso desperdiçar tinta ou espaço em tais assuntos agora. Todo mundo sabe por experiência pessoal e observação quantos e quão maciço são os problemas. E a vasta maioria dos cristãos estão preocupados o suficiente para querer fazer algo a respeito. Mas o que nós podemos fazer?

Sem tecnologia

Existem provavelmente algumas pessoas que ainda estão tentando a abordagem “sem tecnologia”. Eles dizem: “Os perigos são muito grandes; As conseqüências são muito terríveis. Portanto, vamos nos manter separados do mundo, rejeitando a tecnologia. Nós não vamos comprá-la e vamos proibir nossos filhos de usá-la também. ”

Esta abordagem é admirável e compreensível, mas impossível. A tecnologia digital é tão penetrante que tentar evitá-la é como tentar evitar a respiração. E mesmo se tivermos sucesso em evitar a contaminação, nossos filhos certamente não. Eles vão encontrá-la, ou ela vai encontrá-los. Eles então a usarão sem nosso conhecimento e sem qualquer treinamento e ensino – provavelmente o pior de todos os mundos.

Mais tecnologia

Outras pessoas tentam a estratégia “mais tecnologia”. Isso é o que eu mais costumava focar, a ideia é que nós usamos a boa tecnologia para derrotar a má tecnologia. Usamos bloqueadores em canais de TV a cabo, criamos senhas e limites de tempo em computadores domésticos, adicionamos aplicativos de rastreamento aos telefones celulares de nossos filhos, instalamos software de responsabilidade em nossos laptops e assim por diante. Todas estas coisas são boas e podem certamente ser partes úteis de um pacote global de cuidar de nós mesmos e de nossos filhos.

Há alguns problemas, porém, se estamos confiando somente na abordagem “mais tecnologia”. A primeira é que nunca podemos obter tecnologia boa suficiente para vencer a má tecnologia. Os adolescentes são especialmente experientes em contornar os controles e encontrar lacunas nos sistemas mais seguros. Claro, podemos retardá-los, podemos tornar mais difícil colocando alguns obstáculos no caminho, mas se eles estão determinados o suficiente vão superá-los. Eles sempre podem encontrar mais tecnologia para vencer o nosso plano de batalha “mais tecnologia”.

Além disso, mesmo se conseguimos proteger seus dispositivos, assim que saem pela porta eles podem acessar tudo o que quiserem em dispositivos de amigos. Ou eles podem simplesmente obter outro dispositivo e escondê-lo de nós. Essa abordagem também tende para o legalismo e prejudica as relações criando uma espécie de cenário “gato e rato”, resultando em suspeita de um lado e segredos no outro. Precisamos de mais do que “mais tecnologia”.

Mais teologia

Quanto mais eu lutei com esse problema em minha própria família, mais convencido me tornei de que a resposta final não é “nenhuma tecnologia” ou “mais tecnologia”, mas “mais teologia”. Se quisermos uma visão profunda, duradoura e espiritual precisamos aprender e ensinar verdades profundas, duradouras e espirituais. Boa teologia digital é a resposta à tecnologia digital; As verdades mais antigas são a melhor refutação para os mais novos desafios. Mais Trindade é mais eficaz do que mais tecnologia.

Deus é três-em-um

Sério, a Trindade é a solução para a tecnologia? Em parte, sim. As três pessoas da Divindade desfrutam de uma relação perfeita entre si e procuram partilhar esse relacionamento conosco, convidando-nos a essa comunidade sagrada.

As relações do Pai, Filho e Espírito Santo entre si são caracterizadas por amor, confiança, abertura e comunicação. Não é esse o modelo para nossos relacionamentos com nossos filhos, especialmente quando se trata de tecnologia? Não é isso que queremos cultivar e imitar? Quanto mais saudáveis os relacionamentos que temos com nossos filhos mais saudáveis o relacionamento que eles terão com a tecnologia. Relações mais profundas são mais eficazes do que regras mais detalhadas.

Além disso, este três-em-unicidade não é apenas um relacionamento para copiar, mas um relacionamento a ser apreciado. Somos convidados a entrar naquela comunhão, a viver naquela sagrada família. Quanto mais fizermos isso mais a Trindade substituirá a tecnologia ou, pelo menos, mais nossa comunhão com a Trindade regulará a tecnologia para que nossa relação com ela seja mais equilibrada e benéfica.

Deus é bom

Às vezes, podemos ver a tecnologia com tal terror que damos a impressão de que tudo é “do diabo”. Não, a tecnologia é um dom maravilhoso de Deus. Somos abençoados por vivermos nesses tempos e nos beneficiarmos tanto do papel da tecnologia em nossas vidas diárias. Quantas vidas foram salvas por telefones celulares? Quantas famílias separadas foram mantidas juntas pelo Skype e pelo FaceTime? Quantos sermões e palestras foram espalhados pelo mundo por ministérios cristãos como o Ligonier? O diabo não criou e inventou tecnologia. Deus fez, como o doador de todo dom bom e perfeito.

Claro, o diabo abusa do dom. Certamente, nós o pervertemos em usos pecaminosos. Mas nada disso muda o fato de que Deus criou os materiais, as forças e os cérebros que produziram tanta tecnologia benéfica. Quanto mais reconhecermos que a tecnologia é um dom de Deus, mais nos aborreceremos de tomar seu dom e usá-lo contra Ele e mais tomaremos esse dom e o usaremos como Ele pretende.

Deus é onisciente

Nossos pais ou cônjuges não podem ver tudo ou estar em toda parte. O software da responsabilidade pode ser contornado e nossos parceiros de prestação de contas enganados. Mas não podemos escapar, contornar ou enganar o olho que tudo vê de Deus. Ele vê tudo: cada lugar, cada segundo, cada tela, cada clique, cada toque. Ele tem um relatório diário de todos os sites que visitamos, todas as mensagens que enviamos, todas as contas do Instagram que seguimos. Se realmente soubéssemos que Ele sabe, que diferença isso faria. Quanto mais nos lembrarmos da omnipresença e onisciência de Deus, mais procuraremos usar a tecnologia de maneiras que lhe dê prazer, não de maneira que provoque sua ira. Sim, nosso uso da tecnologia pode agradar a Deus. Ele gosta de ver a verdade em vez de mentira no Facebook, ouvir a verdade fluindo pelo mundo e testemunhar nosso testemunho on-line aos incrédulos.

Deus é juiz

O conhecimento de Deus sobre nós não está sendo arquivado em algum gabinete empoeirado ou servidor distante que um dia será perdido ou apagado. Não, como Juiz Ele um dia nos chamará para prestar contas, não apenas por cada palavra inútil, mas por cada clique inútil e idólatrao, por cada segundo gasto em desperdício de tempo sem sentido. Podemos silenciar nosso juiz interno, nossa consciência; Podemos ser mais espertos que nossos juízes terrestres, nossos pais e nossos parceiros de prestação de contas; Mas nunca escaparemos do julgamento de Deus.

Certamente, a graça de Deus em Cristo cobre todos os pecados; Nenhum crente verdadeiro em Jesus jamais se afastará dele sua justiça imputada a nós nos garante o paraíso. No entanto, sabemos que naquele último dia, Deus pesará as obras dos cristãos. Nós estaremos diante do grande Juiz, que não enfrentaremos como nosso condenador, mas como nosso avaliador que julgará o que fizemos e concederá a seu povo recompensas menores e maiores de acordo com sua obediência. Deixe o sábio julgamento de Deus ajudá-lo a fazer julgamentos sábios em seu uso da tecnologia.

Deus é salvador

Às vezes a culpa para o pecado; Nossas consciências nos dão dor e nos advertem a mudar nossos caminhos. Mais freqüentemente, a culpa multiplica o pecado; Deixa-nos sem esperança e desesperados. Nós pecamos mais uma vez com o nosso telefone celular, falhamos mais uma vez com nosso iPad. Sentimo-nos tão condenados que perguntamos: qual é a razão em tentar mais? Nós pecamos tanto, então que mal fará outro pecado?

A culpa também multiplica o pecado criando distância entre nós e Deus. Ela nos aliena e nos separa de Deus, tornando o pecado muito mais fácil. É por isso que precisamos ouvir mais sobre salvação, graça e perdão. Nada elimina o pecado como o perdão do pecado porque ele não só elimina a culpa, mas também multiplica o amor pelo perdão. Quanto mais pudermos abraçar o perdão divino, quanto mais abraçarmos o Perdoador, mais amor por Cristo desfrutaremos.

Deus é poderoso

Às vezes, podemos sentir vontade de desistir da batalha contra os perigos da tecnologia. Olhamos para as forças alinhadas contra nós e nossos filhos e perguntamos, “Qual é o ponto quando eu sou contra tanto?”

Você está certo; As forças são demais e muito poderosas. Contudo, maior é Aquele que está conosco do que aquele que está com eles. Com Deus, todas as coisas são possíveis, e Ele gosta de demonstrar sua possibilidade – especialmente na nossa impossibilidade. Seu poder é especialmente manifesto em nossa fraqueza. Quando sentimos e confessamos nossa impotência é quando Ele se move com seu poder todo-poderoso. Ele pode manter a nós e a nossos filhos seguros. Ele é capaz e poderoso para salvar. Ele também pode dar a nós e a todos os nossos filhos o Espírito Santo para resistir à tentação e fazer o que é certo e bom. Seu Espírito é muito mais influente do que o espírito da época.

Deus é sábio

Às vezes, podemos ser tentados a pensar que Deus não previu esse enorme desafio moral e espiritual, que Ele não o antecipou, e, portanto, Ele não forneceu nada em Sua Palavra para nos ajudar. Afinal, a Bíblia foi escrita há milhares de anos. O que a idade do papiro pode dizer para a era digital? Felizmente, Deus previu, Ele antecipou, e Ele colocou  verdade suficiente na Bíblia para nos guiar através deste campo minado. Muitos versículos do Novo Testamento sobre ética cristã podem ser aplicados à tecnologia, mas eu achei o livro de Provérbios especialmente útil como uma fonte de sabedoria divina para a era digital. Por que não ler isso enquanto pedimos a Deus luz sobre como aplicar estes antigos princípios de sabedoria aos tempos modernos? Deus é mais sábio do que os sábios técnicos da tecnologia e antecipou todo o desenvolvimento na tecnologia até o fim dos tempos. Nunca chegaremos a um dia em que digamos: “Bem, a Bíblia se esgotou da verdade”.

Eu só arranhei a superfície, mas espero que você esteja convencido de que a resposta final para a tecnologia digital é a teologia digital.

David Murray

_______________________________________________________________________________________________

Traduzido por Pedro Pamplona

Original em Ligonier: Three Approaches to Technology

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s